segunda-feira, 30 de abril de 2018

Ementa, planejamento e cronograma do 1º ano - 2º bimestre.


Vamos começar a trabalhar (de verdade)...

Segue o link com o doc que descreve nosso bimestre:

Clique aqui para ir para o site!

Aqui se encontra nossa apostila de atividades, que está sempre valendo ponto!

Clique aqui para ir para o site!

Este é um complemento para quem quiser aproveitar o tempo da melhor maneira:

Clique aqui para ir para o site!

Abaixo temos o link dos livros que devem ser utilizados para a confecção dos trabalhos desse bimestre.


De Homero, a Ilíada:
Clique aqui para ir para o site!

Ainda homérica, a Odisséia:
Clique aqui para ir para o site!

De Hesíodo, a Teogonia:
Clique aqui para ir para o site!

Outra obra de Hesíodo, Os trabalhos e os dias:
Clique aqui para ir para o site!

A tragédia composta pelo mestre Sófocles, Édipo Rei:
Clique aqui para ir para o site!

Uma tragédia de Eurípedes, em homenagem ao deus do teatro, As Bacantes:
Clique aqui para ir para o site!

E uma tragédia do primeiro tragediógrafo, Ésquilo, Agamémnon:
Clique aqui para ir para o site!

A comédia sobre a arte poética do ilustre Aristófanes, As Rãs, em duas versões:
Clique aqui para ir para o site!
Clique aqui para ir para o site!

E ainda alguns dicionários de mitologia que poderão trazer respostas sobre tudo o que habita o imaginário humanos desde os primórdios e, ainda hoje, explicam por quais motivos somos essas criaturas estranhas.

O mais reconhecido mundialmente, Pierre Grimal:
Clique aqui para ir para o site!

Com um pouco mais de estofo, Junito Brandão, em três volumes:
Clique aqui para ir para o site!
Clique aqui para ir para o site!
Clique aqui para ir para o site!

E para entender um pouco mais dos nomes com que as criaturas mitológicas foram batizadas, um dicionário de palavras e nomes:
Clique aqui para ir para o site!

Por fim, não me resta mais do que aguardar o bom trabalho de vocês...



3 comentários:

  1. Bernardo Estevo N:05, Ingrid N:18, João N:19, Juan N:20, Larissa N:22, Maria Eduarda N:29, Maria Eduarda Guimarães N:30, Nicolas N:33, Rodolfo N:38, Sandy N:41 Turma:1011

    Hesíodo Teogonia

    Origem dos Deusus (Resumo):

    Nas campinas da região da Beócia perto do Monte Hélicon, pastoreava, Hesíodo, seu rebanho, quando, de repente, ouviu um canto sublime. Vozes suaves, que pareciam sair do nada, o chamavam pelo nome e lhe diziam que por ordem de Zeus, vieram para torná-lo poeta. Eram as Musas, filhas de Zeus, o supremo do Olimpo, que o chamavam. Elas lhe ensinaram a poesia que revelaria aos homens o conhecimento da origem dos deuses.
    Hesíodo ouve das Musas a narrativa sagrada do nascimento e origem dos deuses, e é orientado por elas, a relatar em versos, como Zeus, viera a ser o pai dos deuses e dos homens e como distribuíra os poderes entre os deuses e os homens, definido, assim, a ordem (kósmo) do mundo, a harmonia universal.
    Narra Hesíodo que, no princípio, havia apenas quatro seres divinos Caos (o vazio primitivo), Gaia (Terra) de amplos seios, Tártaro (a escuridão) e Eros (o desejo amoroso), o mais belo entre os deuses imortais, presente em todas as gerações, pois ele é Amor, fundamento de todas as uniões. Caos gerou Êrebo (a escuridão das profundezas) e Noite (a escuridão da terra). Noite, por sua vez, pariu Tânato (a morte), Hipno (o sono), as Sortes (três), Éter e Dia.
    Gaia gerou um ser capaz de cobri-la inteiramente: Urano (céu). Também colocou no mundo as Montanhas (morada das Ninfas), e Ponto (a água primordial). Unida a Urano, Gaia deu origem aos deuses Titãs como Oceano (agua doce) e Cronos (tempo) o mais jovem deles, que nutriu intenso ódio por seu pai. Gerou também os violentos Ciclopes (que tinham só um olho), Trovão, Relâmpago, Arges, Mnemósine (a memória) e os hecatonquiros Briareu, Cotos e Giges – criaturas enormes, das quais saiam cem braços sem forma, assim como cinqüenta cabeças presas sobre o ombro.
    Hesíodo também relaciona os descendentes de Oceano: os rios e fontes, as ninfas da terra firme, Métis (sabedoria) e Hélio (sol). Os descendentes de Ponto: Nereu, o mais antigo deus do mar, pai das nereidas e Fórcis, que gerou monstros como as Górgonas, Equidna (tronco de mulher e cauda de serpente) e a Esfinge.
    O poeta para finalizar a ordenação da Terra, narra o mito de Cronos. Um dia, quando seu pai Urano veio se estender sobre Gaia, Cronos saiu de seu esconderijo, e com uma foice de dentes agudos castra o pai e lança ao mar o membro cortado que ejacula uma última vez. Da espuma nasce Afrodite, a deusa da beleza e do amor. Urano deixa a Cronos uma maldição: que ele teria um filho que o destruiria.
    Cronos liberta os titãs presos pelo pai e os domina tornando-se detentor máximo do poder. Une-se a Réia, sua irmã (monogamia não era regra), mas os filhos gerados por ela, devido à maldição de Urano, são engolidos por Cronos. Quando Réia estava grávida de seu sexto filho, pede a sua mãe Gaia (Terra), que lhe ajude a salvá-lo. Quando este nasce, Gaia o envia à ilha de Creta para protegê-lo do pai. Envolve uma grande pedra com os panos do recém-nascido, e entrega a Cronos que sem suspeitar do ardil devora a pedra e acredita que se livrou do sexto filho. Entretanto, Zeus, continua vivo, protegido e seguro. Ele cresceu na ilha de Creta, rodeado pelas ninfas. Um dia, uma delas, Almatea, lhe revelou que seu pai era Cronos, e que havia devorado seus irmãos. Metis (a prudência) lhe ensinou com resgatá-los do ventre de Cronos usando um néctar mágico.

    ResponderExcluir
  2. Bernardo Estevo N:05, Ingrid N:18, João N:19, Juan N:20, Larissa N:22, Maria Eduarda N:29, Maria Eduarda Guimarães N:30, Nicolas N:33, Rodolfo N:38, Sandy N:41 Turma:1011

    Continuação:

    Zeus entrega ao pai uma taça com o néctar, ao bebê-lo Cronos regurgita a pedra e os irmãos (já adultos) que engolira. A pedra é cravada em Delfos ao pé do monte Parnaso. Comandando os irmãos (Héstia, Deméter, Hera, Hades e Posídon) e os tios Ciclopes, Zeus luta contra Cronos e seus aliados, os Titãs. Vence o pai e o acorrenta no Tártaro, uma região habitada por monstros e guardada pelos hecatonquiros.
    Zeus, então, possuiu Gaia (Terra), que gera Tifeu (os ventos), abominável divindade de cem cabeças de serpente que expelia fogo da boca e dos olhos e possuidor de uma força descomunal. Incitado por Gaia, Tifeu desafia Zeus para um combate. O monstro joga pedras em Zeus, que contra-ataca com uma chuva de raios nas pedras, que retornaram a Tifeu, nocauteando-o. Zeus também o aprisiona no Tártaro.
    Assim, é estabelecida a ordenação do mundo segundo a vontade de Zeus que passa a reinar absoluto na montanha mais alta do mundo, o monte Olimpo. Distinguiu os deuses imortais dos homens mortais (mito de Prometeu). Distribuiu as honras da vitória entre seus irmãos e aliados: Posêidon tornou-se deus dos oceanos; Hades deus do mundo inferior, ou seja, dos mortos. Héstia tornou-se deusa dos laços familiares, Deméter deusa da agricultura e Hera ficou com reino do Olimpo, pois se casou com Zeus. Entretanto, ele era muito namorador e uniu-se a deusas imortais e mulheres mortais que geraram deuses e semideuses; como Atena, filha de Zeus e Metis, que ao nascer, surgiu da cabeça de Zeus.

    ResponderExcluir
  3. Bernardo Estevo N:05, Ingrid N:18, João N:19, Juan N:20, Larissa N:22, Maria Eduarda N:29, Maria Eduarda Guimarães N:30, Nicolas N:33, Rodolfo N:38, Sandy N:41 Turma:1011

    Continuação:

    Autor da Teogonia Hesíodo:
    Hesíodo foi um dos dois grandes poetas gregos da idade arcaica. Junto com a de Homero, sua obra constitui um dos pilares sobre os quais se edificou a identidade helênica. Hesíodo viveu por volta de 800 a.C. na Beócia, região situada no centro da Grécia. Passou a maior parte da vida em Ascra, a aldeia natal. Sabe-se que viajou a Cálcis, na ilha de Eubéia (a cerca de 800m da costa grega), com o objetivo de participar dos jogos funerários realizados em honra de um certo Anfidamos, e foi o ganhador do prêmio. Sabe-se também - sempre pelas informações do próprio poeta - que depois da morte do pai, seu irmão Perses corrompeu os juízes locais e apoderou-se da maior parte da herança que correspondia a ambos. Por esse motivo, em suas obras, Hesíodo exalta particularmente a virtude da justiça, cuja guarda atribui a Zeus. Hesíodo relata ainda que foi pastor, até que lhe apareceram as Musas e ordenaram-lhe "cantar a raça dos benditos deuses imortais". Dessa exortação nasceram a Gênese dos deuses e Os trabalhos e os dias, as duas únicas obras autênticas do poeta que permaneceram. A Gênese dos deuses parece ser o primeiro poema escrito por Hesíodo. Relata a sangrenta história dos deuses da mitologia grega pré-homérica. No início existem o Caos, a Terra e Eros. Da Terra (ou Gaia, ou Géia) nasceuUrano, o primeiro rei dos deuses, que contraiu matrimônio com sua mãe. Entre os filhos de ambos encontra-se o titã Cronos, que se rebelou contra Urano e, depois de castrá-lo, governou o universo. Cronos foi destronado pelo filho Zeus, que fundou o panteão helênico clássico. Os trabalhos e os dias trata de temas mais terrenos. A primeira parte é dedicada a mitos que ressaltam a necessidade do trabalho duro e honesto. Exalta a Justiça, filha predileta de Zeus e única esperança dos homens. A segunda parte do poema tem propósitos didáticos: estabelece normas para a agricultura e para a educação dos filhos, além de mencionar superstições do dia-a-dia. Diferentemente de Homero, Hesíodo não se ocupou das esplêndidas façanhas dos heróis gregos. Seus temas são os deuses, regentes do destino do homem, e o próprio ser humano, com suas fadigas e misérias. Dividiu a história da humanidade em cinco períodos, da idade do ouro à do ferro, das quais o último correspondia ao difícil período histórico em que ele próprio viveu. Para Hesíodo, só o trabalho e o exercício das virtudes morais permitem aos seres humanos chegar a uma existência discretamente feliz na infausta idade do ferro. Hesíodo morreu, ao que tudo indica, em Ascra.

    ResponderExcluir